Crédito: Mathias Jaimes/TV Servidor

A informação sobre a possibilidade de extensão do ‘Domingo é Meia’, um benefício de meia passagem aos domingos no metrô é verídica, mas ainda não é um realidade. Mas, de acordo com o autor do projeto de indicação de número 75/2017, vereador Ricardo Almeida (PSC), o primeiro projeto de indicação apresentado na Câmara sugere ao governadr do Estado acatar o Domingo é Meia no metrô igual como fez o prefeito ACM Neto no sistema de transporte urbano nos ônibus.

“Para nossa surpresa, até hoje, o governador não se pronunciou em relação ao que fará. A secretaria do governador encaminhou a esta Casa um documento, informando para a recepção do meu projeto e que nos daria depois uma resposta definitiva do que seria feito. Me surpreende porque mesmo quando o prefeito ACM Neto assumiu com os cofres quebrados e com dificuldades financeiras conseguiu instituir aquilo que foi uma promessa de campanha que seria cobrar meia passagem aos domingos no sistema de ônibus para facilitar a vida dos trabalhadores e possibilitar a eles no domingo um lazer, uma praia, ir a um parque público, visitar a famíia,, ir a uma igreja, fazer aquilo que se faz naturalmente aos domingos, curtir o domingo, descansar e desfrutar da família, e com a vinda do metrô, esse benefício acabou não sendo tão percebido, porque hoje o metrô é meio de transporte mais utilizado, tem uma abrangência grande graças a união do governo federal, do governo estadual e do governo municipal. O metrô não é uma exclusividade. O governador não se tornou sensível ainda a essa nossa indicação que beneficiaria milhares de trabalhadores. Nós estamos aguardando com muita expectativa que o governo do estado acate e possibilite o direito de ir e vir a tantos milhares de trabalhadores de Salvador que não podem fazer em função de custo para pegar o metrô aos domingos. A gente solicita ao governador e ao governo do Estado que dê celeridade que o projeto exige, porque na realidade, é um benefício que já era percebido pela população e deixa de ser percebido com a chegada do metrô, porque o metrô cobra inteira todos os dias, não tem uma exceção para os dias de  lazer que é aos domingos. Nós estamos solicitando ao governador do Estado que aos domingos, o sistema metroviário cobre meia passagem, assim como o sistema viário de ônibus cobra meia passagem. É o mesmo benefício que é dado aos trabalhadores no sistema de ônibus, que o mesmo benefício seja estendido ao sistema metroviário”, pede o vereador.

“Nós aguardamos com expectativa para que o governador acate o benefício para os trabalhadores de baixa renda que se utilizam dos meios de transporte urbano e coletivo para fazerem as suas viagens diárias para se locomoverem e se transportarem”, aguarda Almeida.

Conforme o vereador, a justifica do governador de impedir que o benefício seja acatado, conforme o vereador, é o silencio. “A gente vê o governo do Estado falar que é dono de 70% dos recursos do metrô. O governo do estado, nesses 70% que ele diz de recursos que aportou e aplicou no metrô, grande parte é empréstimo. Já pedimos inclusive que o governo abra a planilha, demonstre publicamente a planilha de custos do metrô e mostre para a população o que é empréstimo, que será pago pelo próximo governo, possivelmente, por ACM Neto, se assim ele decidir sair como governador e espero que ele decida. O governador se equivoca através da sua assessoria quando diz que o governo é dono de 70% dos recursos que foram utilizados no metrô, se esquece de dizer que grande parte desses recursos veio do governo federal através do Ministério das Cidades, pela Caixa Econômica através de empréstimos. O metrô ainda nem é do governo, porque está alienado e comprometido através de empréstimos. O metrô será da população, não será nem do governo, é da população quanto tiver quitado. Falta um pouco de transparência, talvez, um equívoco por parte do governo em trazer essa informação de que 70% dos recursos foram do governo do Estado e não foi. Sem falar que os terrenos por onde passam o metrô são terrenos municipais que foram cedidos pela prefeitura. O ISS para a construção e operação que foi dado em contrapartida pela prefeitura também representa recurso, porque a empresa privada não assumiria fazer, construir e operar o metrô senão houvesse um incentivo fiscal que foi dado pela prefeitura. Falta talvez trazer a verdade inteira, uma meia verdade não é uma verdade, é quase uma mentira e a verdade inteira esclarece os fatos e é bom que se esclareça isso para a população”, pontua.

A proposta apresentada pelo vereador tem a intenção de reduzir em 50% o valor da passagem no metrô aos domingos, o mesmo benefício concedido nos ônibus de Salvador.

Rafael Santana