Home / Destaques / Workshop debate estratégias de atendimento às mulheres em situação de violência

Workshop debate estratégias de atendimento às mulheres em situação de violência

Crédito: Jefferson Peixoto/Secom/PMS

A Prefeitura, através da Secretaria de Política para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), promoveu na segunda-feira (04), um workshop para debater estratégias de atendimento às mulheres em situação de violência doméstica. O encontro, realizado para cerca de 100 pessoas, no Hotel Fiesta, foi direcionado aos profissionais atuantes na rede de atendimento às mulheres em situação de violência doméstica e egressas do tráfico de pessoas.

A titular da SPMJ, Taíssa Gama, enfatizou a importância deste debate. “Os números de violência contra as mulheres não estão crescendo, e sim, aparecendo. Diante de atividades como esta, mulheres estão se encorajando a denunciar. Temos o Centro de Referência de Atenção à Mulher Loreta Valadares, que oferece acompanhamento interdisciplinar: psicológico, social e jurídico, além do pedagógico dispensado às crianças que acompanham suas mães em atendimento”, lembra.

Crédito: Jefferson Peixoto/Secom/PMS

Com o tema “Rede de Atenção às mulheres em situação de violência na cidade de Salvador”, Sara Gama, promotora de Justiça da 1ª Promotoria de Violência Doméstica da Bahia, disse que o grande ganho que se teve nesses últimos 11 anos, desde que passou a vigorar a Lei Maria da Penha, foi justamente a chance dessas mulheres acionarem o poder público e denunciar que estão sendo vítimas de violência. “A lei não foi feita para as mulheres vítimas. Precisamos desconstruir isso e ter em mente que ela foi feita para a sociedade, como prevenção do crime”, observa.

O workshop foi composto por uma palestra magna feita pela promotora de justiça Márcia Teixeira, que discursou sobre o fortalecimento da rede de atenção às mulheres em situação de violência doméstica, ao debater o atendimento ideal às vítimas. “O ideal é que nós tenhamos um fluxo de encaminhamento dessas mulheres, já que cada caso é um caso. É necessário fazer um estudo da mulher que foi atendida, saber por quem ela foi atendida e para quais serviços ela pode recorrer”, pontua.

Fonte: Secom/PMS

 


CONTEÚDO ALTERNATIVO CASO O VISITANTE NÃO TENHA O PLUGIN DE FLASH EM SEU COMPUTADOR (ESTE CONTEÚDO PODE APARECER TAMBÉM ENVOLVIDO POR UMA "DIV")


Sobre Rafael Santana

Rafael Bonfim Santana é jornalista com experiência em diversos sites e jornais da Bahia

Veja Tambem

Felipe Lucas defende proposta de indicação sobre uso de propaganda em uniformes dos alunos da rede municipal de ensino de Salvador

Alunos da rede municipal de ensino de Salvador podem passar a estampar logomarcas de empresas ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.