Home / Municípios / Centros de referência realizaram 2,5 mil atendimentos em 2018

Centros de referência realizaram 2,5 mil atendimentos em 2018

Crédito: Bruno Concha/Secom/PMS

Juntos, o Centro de Referência de Atendimento à Mulher Loreta Valadares (CRLV), nos Barris, e o Centro de Atendimento à Mulher Soteropolitana Irmã Dulce (Camsid), na Ribeira, realizaram 2,5 mil atendimentos, entre os meses de janeiro e julho deste ano, para vítimas de violência doméstica, familiar, mães de crianças com idades entre 0 e 12 anos e egressas do tráfico de mulheres. Os casos mais frequentes de violência registrados pelos centros de referência e acolhimento são de ordem psicológica, moral, física, patrimonial e sexual.

Enquanto o Loreta Valadares se encarrega do atendimento primário às vítimas, o Camsid agrega as funções de centro de referência e uma casa de acolhimento de curta duração. Nele, há suporte jurídico e psicossocial, atividades de empreendedorismo, dança, informática, grupo terapêutico, defesa pessoal, oficinas produtivas, ginástica e atendimento de enfermagem.

De acordo com Maria Auxiliadora Alves, coordenadora dos Centros de Referência e da Casa de Acolhimento da Secretaria Municipal de Politicas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), denunciar ainda é a maior dificuldade encontrada por mulheres vítimas de violência no Brasil. “É necessário fazer um trabalho preventivo e baseado em números reais, além de tratar o problema de forma localizada”.

As unidades realizam atendimento em quatro fases distintas. A primeira consiste no atendimento e acolhimento inicial, onde são passadas as informações gerais sobre o trabalho realizado. A segunda etapa consiste no diagnóstico voltado para o atendimento, segurança e cuidados das vítimas. Em seguida, vem o diagnóstico aprofundado, por meio de medidas psicocriativas, e o monitoramento caso a caso das mulheres atendidas.

“Nos centros, trabalhamos com procura espontânea ou por recomendação de outros órgãos. Geralmente, quando a mulher busca o acolhimento, já teve rompidos os vínculos familiares, profissionais e sociais. Então, optamos por acolher a família como um todo. Dessa forma, elas passam a se cuidar mais, recuperam a autoestima e começam a se enxergar de outra forma. E, com esse sentimento recuperado, são criadas as condições para tomar as melhores decisões”, destaca Maria Auxiliadora.

Informações da Secom/PMS

 


CONTEÚDO ALTERNATIVO CASO O VISITANTE NÃO TENHA O PLUGIN DE FLASH EM SEU COMPUTADOR (ESTE CONTEÚDO PODE APARECER TAMBÉM ENVOLVIDO POR UMA "DIV")


About Rafael Santana

Rafael Bonfim Santana é jornalista com experiência em diversos sites e jornais da Bahia com foco em pautas políticas regionais

Check Also

Marcelo Veiga atua para manter tradicionalidade da Festa do Umbu em Manoel Vitorino

Ao lado do atual prefeito Silvany Barros (PL) e defendendo a gestão do ex-prefeito Heleno ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.