Principal / Destaques / Febre na pandemia, uso excessivo de fone de ouvido em exige atenção

Febre na pandemia, uso excessivo de fone de ouvido em exige atenção

Jéfferson Peixoto SECOM

Com o isolamento social em decorrência da pandemia da Covid-19, cresce a utilização de fones de ouvido para as conferências, reuniões virtuais, lives e até mesmo para os vídeos em família. O uso excessivo do acessório para qualquer que seja a atividade pode causar danos à audição e desenvolver problemas emocionais como, por exemplo, a ansiedade e o aumento de estresse. A recomendação de especialistas é limitar o tempo a, no máximo 60 minutos por dia, e com volume inferior a 60% da capacidade do som do aparelho.

Dependendo do tempo de exposição e intensidade, o fone de ouvido pode causar danos irreversíveis à audição. De acordo com fonoaudiólogos, isso acontece porque o som alto mata as células ciliadas, que não são regeneradas pelo organismo. Segundo a Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia, a constante exposição a ruídos com frequência superior a 85 decibéis (dB) pode gerar prejuízos.

Para a fonoaudióloga Raquel Jefoni, do Multicentro Carlos Gomes, o uso inadequado pode ser danoso. “Ele (o fone) não é vilão, se for bem utilizado. Dois pontos importantes que devem ser avaliados são o tempo de uso e o volume do som. Se estiver a uma altura de 80 decibéis, o ideal é no máximo 45 minutos”, frisa.

Jefoni lembra ainda que, ao utilizar o acessório, o ideal é sempre colocar os dois fones, e nunca apenas um. ”Inserindo em apenas um, seu outro ouvido absorve barulhos externos e você tende a aumentar mais o volume”, explica. A especialista diz ainda que o recomendado para utilização do fone é sempre buscar um ambiente bastante silencioso para que não haja necessidade de aumentar e prejudicar a audição.

Prejuízos – Outra recomendação dada pela médica é ficar atento se alguém no ambiente está conseguindo ouvir o som do fone de ouvido. Caso isso aconteça, é um sinal de que o volume já está em um nível prejudicial à saúde auditiva. Na lista dos danos, a perda auditiva induzida por ruído e os zumbidos são os mais frequentes. “Vale lembrar que para perda de audição não existe remédio, não tem mais como recuperar. Além dela, ainda existem os zumbidos e as questões emocionais como aumento da ansiedade e grau de estresse”, diz Jefoni.

A higiene do aparelho também é essencial para a saúde auditiva do usuário. “O que pode ser feito é pegar uma escova de dente nova e passar para tirar a sujeira e em seguida usar um cotonete com álcool na parte auricular e também no fio”, recomenda Raquel Jefoni. Para fones que possuem espuma, a orientação da especialista é a retirada para a higienização com água e sabão. Ele lembra ainda que dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que 50% da população entre 12 e 35 anos que moram em países de média ou baixa renda escutam música em uma intensidade prejudicial à audição.

Sobre Mathias Jaimes

Mathias Ariel Jaimes ( DRT 5674 Ba ) , é CEO do site #TVServidor e sócio-proprietário da agência de comunicação interativa #TVS1 . Formado em publicidade na Argentina. Estudou artes plásticas na Universidade Federal da Bahia. MBA em marketing e comunicação estratégica na Uninassau. Aluno do professor Olavo de Carvalho, Curso Online de Filosofia, desde 2015.

Leia também!

Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo

Depois de chegar ao pior patamar da série histórica, em abril de 2020, o Índice ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *