Home / Destaques / Luiz Caetano perde pela quinta vez no STF. Gilmar Mendes nega recurso e mantém inelegibilidade do petista

Luiz Caetano perde pela quinta vez no STF. Gilmar Mendes nega recurso e mantém inelegibilidade do petista

Foto: Instagram Luiz Caetano

O ex-deputado federal Luiz Caetano (PT) fracassou em nova tentativa de reverter as decisões judiciais que mantiveram sua inelegibilidade e indeferiram seu registro de candidatura nas eleições passadas. O novo revés veio do Supremo Tribunal Federal (STF), com o ministro Gilmar Mendes, que, em decisão monocrática nesta quinta-feira (13), indeferiu um pedido do petista para suspender decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que manteve a inelegibilidade dele. Em fevereiro, o mesmo Gilmar já havia negado um pedido da defesa de Caetano para tentar assumir o mandato de deputado federal. Somente em 2019, o ex-prefeito de Camaçari já havia sofrido quatro derrotas no STF antes da nova decisão de Gilmar Mendes.

Em seu pedido, Caetano argumentou que a necessidade de garantir “o resultado útil do processo”, uma vez que considera ter sido eleito para o mandato eletivo. Diz, ainda, que a decisão que indeferiu seu registro da candidatura se baseou em mudança do entendimento do TSE que não poderia ser aplicado às eleições passadas.

Contudo, o Ministério Público Federal (MPF), ao se manifestar sobre o assunto, entende que o acolhimento à petição de Caetano traria insegurança jurídica e política. Isso porque o deferimento do pedido do petista implicaria em suspensão do mandato do suplente, Charles Fernandes (PSD). Entretanto, em caso de eventual desprovimento de recurso extraordinário, Caetano voltaria a perder o mandato, o que geraria “uma situação de completa instabilidade”.

Na manifestação, o subprocurador-geral da República Carlos Alberto Vilhena cita a condenação de Caetano em segunda instância por improbidade administrativa com dano ao erário e enriquecimento ilícito. Ele foi condenado por irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga quando era prefeito de Camaçari. “A decisão da Corte de Justiça Estadual evidencia a ocorrência de enriquecimento ilícito por parte de terceiro como consequência do dano aos cofres públicos. Isso porque se, de um lado, restou demonstrado que a municipalidade experimentou um prejuízo ao adquirir materiais escolares com sobrepreço, de outro, não há dúvida de que a empresa contratada obteve benefício espúrio por vender ao município material escolar com preço muito superior ao praticado no mercado”, ressalta o subprocurador-geral.


CONTEÚDO ALTERNATIVO CASO O VISITANTE NÃO TENHA O PLUGIN DE FLASH EM SEU COMPUTADOR (ESTE CONTEÚDO PODE APARECER TAMBÉM ENVOLVIDO POR UMA "DIV")


About Mathias Jaimes

Mathias Ariel Jaimes é CEO da TV Servidor / Axé Notícias. Formado em publicidade. Estou artes plásticas na Universidade Federal da Bahia. MBA em marketing e publicidade estratégica na Uninassau

Check Also

TV. Forró da AACB. Flor de Minho anima festa dos advogados

Confira, nas imagens abaixo, um breve resumo do Forró da AACB –Associação dos Advogados Criminalistas ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.