Principal / Destaques / Macrodrenagem do Baixo Trobogy melhora também mobilidade e preserva meio ambiente

Macrodrenagem do Baixo Trobogy melhora também mobilidade e preserva meio ambiente

A região do canal do Baixo Trobogy, que atinge os bairros de Patamares da Paz desde a Avenida Luiz Viana Filho (Paralela) até o Clube do Ses, foi alvo de uma grande ação de macrodrenagem promovida pela Prefeitura que vai acabar com os constantes alagamentos na região, assim como melhorar a mobilidade e a preservação ambiental de uma das principais bacias de Salvador. A entrega da macrodrenagem e urbanização do Baixo Trobogy foi feita nesta sexta-feira (14) pelo prefeito ACM Neto, acompanhado do secretário Almir Melo (Infraestrutura), demais autoridades e imprensa.

A bordo do Salvador Bus, foram apresentadas algumas das intervenções realizadas. “Esta é uma obra que vai acabar definitivamente com os alagamentos pelos próximos 50 anos. Além disso, foi feito todo um trabalho de mobilidade em 4,5km de avenidas, com alargamento de pista e de passeios, implantação de ciclovia, de pontilhões, de paisagismo e nova iluminação, tornando-se assim mais um acesso para quem segue pela Paralela em direção à orla. Foi feita, ainda, a recuperação ambiental dos rios e das lagoas, dentre elas a do Vale Encantado. Foram quase R$100 milhões investidos aqui, com parte dos recursos oriundos do governo federal”, afirmou o prefeito.

Ele aproveitou para explicar a situação da Avenida Tamburugy, que ainda não foi aberta ao tráfego devido a um impasse com o Ministério Público da Bahia (MP-BA), referente a questões ambientais. “Acredito que, com toda essa intervenção feita aqui, inclusive com o compromisso nosso de implantar o Parque do Vale Encantado, já não há mais motivo para que o embargo seja mantido pelo Ministério Público”, completou ACM Neto.

Avanços – Realizadas pela Prefeitura através de convênio com o Ministério das Cidades, no valor de R$94,4 milhões, as intervenções englobaram a requalificação, dragagem e recuperação ambiental dos rios Trobogy e Passa Vaca, além de escoamento de água da lagoa da Paralela e recuperação do espelho d’água da lagoa do Vale Encantado.

Integrante do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais – PAC Prevenção e com duração de três anos, a obra foi executada pelo Consórcio Baixo Trobogy, vencedor da licitação, sob a coordenação da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra). A intenção foi acabar com os constantes alagamentos na região da bacia, na Avenida Luís Viana Filho (Paralela), que sofria forte assoreamento devido principalmente às construções nas proximidades dos rios e lagoas, sujeira e degradação da mata ciliar.

Além disso, a medida também envolveu a recuperação ambiental da localidade, principalmente no Rio Trobogy e na área do Vale Encantado, através do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD). O plano foi uma exigência da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), através de recomendação do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), que também acompanhou as obras.

Na parte urbanística, foram implantados 4,6km de passeios, com largura de 1,5m, e de 4km de ciclovia com 3m de largura. Foi recuperado também 3,5km de rede de microdrenagem, 26 mil m2 de pavimentação asfáltica e execução de uma ponte de concreto armado, com largura de 20m, sobre o Rio Passa Vaca.

“Toda vez que chovia, a lagoa transbordava e alagava a Avenida Paralela, causando transtornos. Esta é uma obra importante de macrodrenagem, de pavimentação e recuperação ambiental do entorno do canal que trará eficiência tanto para a mobilidade, como para a drenagem de toda a região”, afirmou o titular da Seinfra, Almir Melo.

Etapas – As intervenções abrangeram o trecho do Rio Trobogy entre o Shopping Paralela e o Clube do Sesc, em Patamares, e foram divididas em quatro etapas. A primeira delas envolveu lagoa da Paralela, localizada defronte ao shopping e à FTC. Em períodos de fortes chuvas, o nível da lagoa chegava a subir quatro metros e a água invadia a pista, no sentido Centro. A solução foi desobstruir o vertedouro da lagoa, que passa por baixo do canteiro central da via, para que o volume excedente possa desembocar naturalmente no Rio Trobogy.

A segunda etapa foi feita no Rio Trobogy, cujo assoreamento já resultava em trechos com apenas 1,5m de profundidade. Além da limpeza e dragagem, que promoveu a abertura e ampliou a profundidade para até 18m, também foi feita a recuperação da calha do canal, concretada com geocélula, e do leito do rio, que foi “forrado” com pedras. Nas duas margens, foi feita a recuperação da mata ciliar, com plantio de mais de 2 mil mudas de árvores nativas da região. Em toda a obra, foi recomposta uma área de 26 mil m2 de mata ciliar.

A Lagoa do Parque Encantado foi o alvo da terceira etapa da obra. Isso porque, ao também sofrer assoreamento, não conseguia acumular suficientemente a água no período chuvoso – situação que resultava nos constantes alagamentos em Patamares. Além disso, em tempos de estiagem, o espelho d’água quase desaparecia – era possível andar pelo meio da lagoa, devido à quantidade de terra presente no fundo, além de forte presença de vegetação não-nativa.

A solução englobou o desassoreamento, com aumento da profundidade em 2m, retirada de esgoto que era despejado no local e implantação de barramento para reter parte da água, garantindo assim a preservação do espelho d’água e da vida da lagoa. Foi realizada, ainda, recuperação da mata ciliar da lagoa.

A quarta e última etapa teve como foco o Rio Passa Vaca, que passa nas imediações da Escola Panamericana, em Patamares. A situação antes do local era de duas manilhas bloqueadas por material de obras irregulares, vegetação e terra. Foi feita, então, a substituição das manilhas por uma grande galeria, além de dragagem que ampliou a profundidade do rio de 1,5m para 10m, facilitando assim a passagem da água.

Reuniões – Para a realização da obra, foram realizadas reuniões com moradores da região do Rio Trobogy para informar sobre as intervenções a serem realizadas na região. Um dos participantes é o empresário rural Eloy Amoedo, que foi um dos primeiros moradores a chegar ao Vale Encantado, em 1980. Ele contou que a região parecia uma grande fazenda, bastante isolada e com forte presença da natureza.

Inclusive, o nome Vale Encantado surgiu devido a uma situação vivida por Amoedo: ao andar por uma trilha, encontrou uma senhora negra e vestida de azul e branco, que o expulsou do local afirmando ser a dona do lugar – ela sumiu da vista dele minutos depois. “Quando estávamos tentando dar nome ao parque, veio a lembrança desse acontecido, que foi algo encantado”, pontuou.

O morador afirmou que a intervenção é importante, porque envolve também a preservação ambiental da área, que vem perdendo espaço para os empreendimentos imobiliários. “A limpeza e a drenagem da região são importantes para aqui não ficar transbordando. A Prefeitura informou que seria feita a drenagem nessa parte do rio, que estava assoreado e que era importante manter a mata ciliar. Achei maravilhosa a obra e a única ressalva é com relação à utilização do concreto no canal, pois temos receio que, com o tempo, as máquinas que farão a limpeza possam quebrá-lo e, assim, prejudicar a passagem da água”, salientou.

Sobre Mathias Jaimes

Mathias Ariel Jaimes ( DRT 5674 Ba ) , é CEO do site #TVServidor e sócio-proprietário da agência de comunicação interativa #TVS1 . Formado em publicidade na Argentina. Estudou artes plásticas na Universidade Federal da Bahia. MBA em marketing e comunicação estratégica na Uninassau. Aluno do professor Olavo de Carvalho, Curso Online de Filosofia, desde 2015.

Leia também!

Sede do Grupamento Aéreo da Polícia Militar abrigará vacinas que serão distribuídas em toda a Bahia

A sede do Grupamento Aéreo da Polícia Militar será o ponto de guarda das doses ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *