Home / Destaques / Marcelo Veiga defende comunidades e gerenciamento do uso da água do Rio Utinga

Marcelo Veiga defende comunidades e gerenciamento do uso da água do Rio Utinga

Foto: Ituruçu Online

A falta de gerenciamento da água do Rio Utinga pode causar novos colapsos para comunidades de pelo menos quatro municípios da Chapada Diamantina. Nesta quarta-feira (15), durante audiência pública na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), políticos, técnicos, representantes de comunidades ribeirinhas, indígenas e agricultores familiares ampliaram os debates sobre a situação do manancial que vem sofrendo com o aumento desenfreado do uso de suas águas para irrigação com ou sem outorgas. O deputado estadual Marcelo Veiga (PSB) defendeu que o governo estadual utilize mecanismos para gerenciar o uso da água e destacou que as comunidades de Andaraí, Lajedinho, Wagner e Utinga precisam do recurso natural para subsistência. “Foi um debate técnico, que deixou a política de fora, justamente por todos entenderem a importância do rio para essas mais de 6 mil pessoas de comunidades rurais. Já participei de várias audiências e caminhei nas margens do Rio Utinga com os prefeitos Joyuson Vieira [Utinga] e Elter Bastos [Wagner]. Reuniões na Cerb e no Inema também debateram o assunto e tudo se resume no gerenciamento do uso das águas. Os governos estadual, municipais e produtores entendem isso e estão dispostos a ajudar”, salienta Veiga defendendo a instalação imediata de poços para suprir a demanda na região e amenizar a retirada de água do Rio Utinga, além de medidas enérgicas para preservar o manancial. “O assunto tem que unir três braços: a sociedade, governos estadual e municipal e os produtores para o rio ser e continuar sendo essa fonte de vida para a Chapada Diamantina”.

Para o prefeito de Wagner, Elter Bastos (PSL), a ação do governo estadual tem de ser mais que lacrar bombas no período de seca. “O governo do estado tem que ser penalizado sobre o que acontece ao Rio Utinga. Sabe informações, mas efetivamente não faz nada. Quando chega a seca, o secretário liga dizendo que vai lacrar as bombas e digo que não precisa porque já choveu. Então, a ação do governo é só essa. Hoje o Inema tem todas as possibilidades de fazer um trabalho na localidade. O Inema tem cadastro, levantamento do número de produtores, tamanho dos produtores. Então precisa que o governo assuma esta responsabilidade”, frisa o gestor.

Já para o prefeito de Utinga, Joyuson Vieira (PSL), é preciso dividir o embate político e técnico. “Na hora do embate técnico a discussão precisa de profundidade. A nascente do Rio Utinga, através dos seus dois canais, não perde 25% ou 50% da água total do rio como trataram aqui. Imagino que perca zero. Portanto, gostaria que enriquecesse esse debate técnico e que os deputados não sejam contaminados. Defendemos a bacia do rio e muito mais a problemática hídrica da Bahia. Utinga não pode ser vilã, é o único município produtor de água e não consumidor e não queremos que outros fiquem sem o recurso”, completa Vieira ao lado do vice-prefeito Átila Karaoglan, do presidente da Câmara de Vereadores, Jonas Aguiar, e dos vereadores Tonho Muniz, Manoel Moreira.


CONTEÚDO ALTERNATIVO CASO O VISITANTE NÃO TENHA O PLUGIN DE FLASH EM SEU COMPUTADOR (ESTE CONTEÚDO PODE APARECER TAMBÉM ENVOLVIDO POR UMA "DIV")


About Mathias Jaimes

Mathias Ariel Jaimes é CEO da TV Servidor / Axé Notícias. Formado em publicidade. Estou artes plásticas na Universidade Federal da Bahia. MBA em marketing e publicidade estratégica na Uninassau

Check Also

TV. Forró da AACB. Flor de Minho anima festa dos advogados

Confira, nas imagens abaixo, um breve resumo do Forró da AACB –Associação dos Advogados Criminalistas ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.