Home / Destaques / “Não é o Democratas, mas o modus operandi do PT que está ultrapassado. Ou o PT se reformula ou acaba”, diz Heraldo Rocha

“Não é o Democratas, mas o modus operandi do PT que está ultrapassado. Ou o PT se reformula ou acaba”, diz Heraldo Rocha

20161018071948_260491750f372c7e39fb15abb12aaa43

Diante do novo momento político no país, especialmente, na Bahia, o presidente do DEM em Salvador, Heraldo Rocha, avalia que o momento é de mudança na atual forma de fazer política. Para ele, “o modus operandi do PT está ultrapassado e a resposta foi conferida nas urnas, a exemplo de Vitória da Conquista, onde o apoderamento da hegemonia petista chegou ao fim com a vitória de Herzem Gusmão  (PMDB), eleito com 57,58% dos votos contra Zé Raimundo (PT) que obteve 42,42%, durante o segundo turno, neste último domingo (30).

“A melhor resposta quem deu foi o povo brasileiro. Nós hoje do Democratas temos o maior número de votos, mais de 1,7 milhão, o PT ficou em terceiro. Por que isso aconteceu?

De acordo com Heraldo, houve uma reformulação do modus operandi de fazer política. Para o democrata, o grande modelo de gestão pública que o prefeito ACM Neto implementou em Salvador nos ajudou em outros municípios, não só na Bahia, mas em outros estados.

“Não é o Democratas, mas o modus operandi do PT que está ultrapassado. Ou o PT se reformula ou acaba. Tinha 82 prefeituras em São Paulo, foi reduzido a sete. O berço do PT em São Paulo, o chamado cinturão vermelho, que são aquelas cidades de São Bernardo, Santo André, aquela região em torno da capital, eles não ganharam uma prefeitura. Na Bahia, a pá de cal foi Vitória da Conquista”, disse Heraldo em resposta às considerações do presidente do PT na Bahia, Everaldo Anunciação, que adjetivou o partido DEM como uma “oposição conservadora e ultrapassada”.

No rebate ao petista, Heraldo disse que é o PT quem precisa rever seus conceitos. Ele acredita ainda que a legenda já está pagando, com a perda de cidades importantes. O PT não venceu nenhuma das disputas no segundo turno e não conseguiu eleger representantes nas cidades do ABC Paulista, seu berço.

“Acho que nós temos que comemorar, mas, sobretudo avaliar se temos condições de empreender gestões públicas de qualidade. Nos preocupar com políticas sociais, que eles não fizeram. Todos os dias tem gente morrendo nas portas dos hospitais. O modelo da Saúde no Brasil foi acabado. Eles terceirizaram, fizeram um modelo quando deveria ser de prevenção, melhorar a qualidade de vida da população. A segurança, no caso da Bahia, em 13 anos de gestão, somos hoje o campeão de homicídios, dados do 10º Anuário de Segurança Pública, que é um diagnóstico imparcial. A Bahia é o primeiro estado da federação em homicídios de jovens, um verdadeiro genocídio. Nossas estradas estão acabadas, a taxa de desemprego já atingiu níveis mundiais, as universidades estaduais e federais não tiveram assistência, politizaram a educação e aparelharam a máquina do estado. O modelo de gestão do PT é um modelo de inchar a máquina, o Muro de Berlim já caiu”, pontua.

Heraldo Rocha rechaçou ainda a ideia de que a base aliada de Neto tenha como estratégia dividir a oposição, prejudicando nomes importantes do próprio PT.

Foto: Reprodução/Tribuna da Bahia


CONTEÚDO ALTERNATIVO CASO O VISITANTE NÃO TENHA O PLUGIN DE FLASH EM SEU COMPUTADOR (ESTE CONTEÚDO PODE APARECER TAMBÉM ENVOLVIDO POR UMA "DIV")


About Rafael Santana

Rafael Bonfim Santana é jornalista com experiência em diversos sites e jornais da Bahia

Check Also

Entidades discutem execução e estratégias do programa Família Acolhedora

A operacionalização e estratégias do serviço Família Acolhedora foram discutidas e alinhadas na manhã terça-feira ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

google.com, pub-6410565665465772, DIRECT, f08c47fec0942fa0