Principal / Destaques / Petista Luiz Caetano é condenado a devolver R$ 1,49 milhão e à perda dos direitos políticos por três anos; Justiça determina bloqueio de bens

Petista Luiz Caetano é condenado a devolver R$ 1,49 milhão e à perda dos direitos políticos por três anos; Justiça determina bloqueio de bens

Instagram Luiz Caetano

O ex-deputado federal Luiz Caetano (PT) foi condenado por improbidade administrativa pela 1ª Vara da Fazenda Pública de Camaçari devido a fraudes cometidas quando foi prefeito do município. O petista foi acusado pelo Ministério Público estadual (MP-BA) de violar o artigo 19 da Constituição Federal por irregularidades praticadas em contratações para eventos religiosos na cidade. Pela decisão, Caetano terá que R$ 1,49 milhão aos cofres públicos e deverá pagar multa de R$ 2,9 milhões, equivalente ao dobro do dano ao erário provocado pelas fraudes. Além disso, a sentença determina a perda dos direitos políticos do petista por três anos e o bloqueio de bens do ex-prefeito no valor equivalente ao ressarcimento.

“Expeça-se Ofícios aos Cartórios de Imóveis desta comarca de Camaçari, para indisponibilidade imediata dos bens imóveis de propriedade do requerido, Luiz Carlos Caetano, bem como, proceda-se a penhora eletrônica de suas aplicações financeiras, no valor da totalidade da presente condenação, e expedição de ofício ao Detran, para bloqueio de veículos de propriedade do acionado”, diz a decisão. Ele também foi proibido de contratar com o poder público, receber benefícios ou incentivos fiscais, direta ou indiretamente, incluindo através de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário.

Segundo o MP-BA, o ex-prefeito violou a Constituição ao realizar contratações irregulares para eventos religiosos em Camaçari. O artigo 19 da Carta Magna proíbe à União, Estados e Municípios “estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público”. Veda, ainda, “recusar fé aos documentos públicos” e “criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si”.

De acordo com a denúncia, o prejuízo causado aos cofres de Camaçari pelas fraudes foi de R$ 1,49 milhão, valor determinado pela Justiça como ressarcimento. A ação foi ajuizada em 2015 pelo MP-BA e a sentença foi proferida na última sexta-feira (13).

Conforme a petição inicial do MP-BA, Caetano efetuou gastos de R$ 1,49 milhões em eventos promovidos pelo Conselho de Ministros Evangélicos de Camaçari, instituição responsável pelos eventos anuais denominados Congresso da Juventude Evangélica do município, Marcha para Jesus e Dia da Bíblia. “Efetivamente, o financiamento de eventos privados de natureza religiosa, in casu, evangélicos, atenta contra os mais elementares princípios que regem a administração pública, insertos no artigo 37 da Constituição Federal, notadamente os princípios da legalidade e impessoalidade, bem como constitui-se em afronta direta ao quanto estabelecido no artigo 19, inciso I, da Carta Magna, ou seja, macula um dos principais pilares do Estado Democrático de Direito, que é o princípio da laicidade do Estado, adotado na grande maioria das democracias ocidentais contemporâneas”, diz a petição inicial, assinada pelo promotor Geraldo Agrelli Lôbo.

Sobre Mathias Jaimes

Mathias Ariel Jaimes ( DRT 5674 Ba ) , é CEO do site #TVServidor e sócio-proprietário da agência de comunicação interativa #TVS1 . Formado em publicidade na Argentina. Estudou artes plásticas na Universidade Federal da Bahia. MBA em marketing e comunicação estratégica na Uninassau. Aluno do professor Olavo de Carvalho, Curso Online de Filosofia, desde 2015.

Leia também!

Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo

Depois de chegar ao pior patamar da série histórica, em abril de 2020, o Índice ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *