Principal / Destaques / PL de Aleluia garante extrema unção em Unidades de Saúde: “retirá-la do nosso povo é como matar parte da sua alma”

PL de Aleluia garante extrema unção em Unidades de Saúde: “retirá-la do nosso povo é como matar parte da sua alma”

Para todo católico o momento da extrema unção nada mais é do que o último socorro que a religião oferece não como um ato de caridade e sim como um dever sagrado diante da iminente entrada à eternidade. Segundo o padre Paulo Ricardo, oferecer o socorro da religião “um dever sagrado que não se pode transgredir sem contrair uma séria responsabilidade. Se podemos ser culpados de homicídio por deixar alguém morrer de inanição, que nome daremos ao crime terrível de permitir que uma alma se condene por não a termos socorrido a tempo com os meios da nossa santa religião?”

Em plena pandemia do Vírus Chinês, e com o objetivo de evitar o contato, foi proibida a circulação de padres católicos em Unidades de Terapia Intensiva.

Em Salvador, o vereador bolsonarista Alexandre Aleluia apresentou um projeto de Lei que dispõe sobre a garantia da prestação de assistência religiosa na rede de saúde no âmbito do município de Salvador. “Proibir a extrema unção é um dos maiores ataques que um católico pode sofrer. Além desse caso relatado na matéria, outros casos chegaram a mim. Entrei com esse Projeto de Lei garantindo a liberdade desse sacramento nos Hospitais de Salvador. Retirá-la do nosso povo é como matar parte da sua alma”, justifica Aleluia.

Print

Sobre Mathias Jaimes

Mathias Ariel Jaimes ( DRT 5674 Ba ) , é CEO do site #TVServidor e sócio-proprietário da agência de comunicação interativa #TVS1 . Formado em publicidade na Argentina. Estudou artes plásticas na Universidade Federal da Bahia. MBA em marketing e comunicação estratégica na Uninassau. Aluno do professor Olavo de Carvalho, Curso Online de Filosofia, desde 2015.

Leia também!

Felix nega ter pedido “homem com saia” na chapa de Bruno Reis

Em contato com a #TVServidor , o presidente do PT no Estado, deputado Felix Mendonça ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *