fbpx
Principal / Política / Sérgio Cabral é condenado a 47 anos de prisão por propinas nas obras do PAC Favelas

Sérgio Cabral é condenado a 47 anos de prisão por propinas nas obras do PAC Favelas

Crédito: Valter Rosário/VEJA.com

O juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal do Rio, condenou o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) a 47 anos e quatro meses de prisão por corrupção passiva. Além do emedebista, outros sete denunciados foram sentenciados. Com mais essa condenação, a sexta imposta a Cabral pela Operação Lava Jato, o emedebista, preso desde novembro de 2016, acumula agora 170 anos e oito meses de pena.

Foram também condenados o ex-secretário de Gestão Wilson Carlos (6 anos e 6 meses), o ex-assessor Luiz Carlos Bezerra (5 anos e 6 meses), o ex-secretário de Obras Hudson Carlos (10 anos), o ex-diretor da RioTrilhos (4 anos), ex-subsecretário de Transportes, Luiz Carlos Velloso (7 anos), o ex-assessor Wagner Jordão (4 anos), e o empresário José Orlando Rabelo (3 anos e 6 meses).

Segundo a denúncia da força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio, embasada na delação de executivos da Carioca Engenharia, “foi possível identificar a prática de crimes em importantes obras realizadas com recursos federais, inclusive provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento, no Estado do Rio de Janeiro (Arco Metropolitano, PAC Favelas e Linha 4 do Metrô)”.

“Sergio Cabral mercantilizou da forma repugnante a funções públicas que lhe foram outorgadas por meio de uma quantidade expressiva de votos pelos eleitores cariocas, que foram traídos e abandonados à própria sorte em um Estado em que a corrupção se espraiou por todos os órgãos da administração estadual”, anotou o magistrado.

A reportagem tenta contato com a defesa do ex-governador Sérgio Cabral e dos outros condenados pelo juiz Marcelo Bretas.

Fonte: Estadão Conteúdo

 

Sobre Rafael Santana

Rafael Bonfim Santana é jornalista com experiência em diversos sites e jornais da Bahia com foco em pautas políticas regionais

Leia também!

Salvador aposta em economia criativa para combater desigualdades sociais

O soteropolitano é criativo na própria essência. E todo esse potencial pode e deve ser ...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *