Home / Cultura / Terreiro de Jesus é entregue requalificado pela Prefeitura no contexto “dos grandes investimentos realizados no Centro Histórico”

Terreiro de Jesus é entregue requalificado pela Prefeitura no contexto “dos grandes investimentos realizados no Centro Histórico”

Respeitando o traçado original, a praça do Terreiro de Jesus foi entregue no final da tarde desta sexta-feira (7) à população de Salvador, turistas e demais apreciadores do espaço histórico, após passar por obras de requalificação. As intervenções custaram R$ 1,6 milhões e correspondem à primeira ação estrutural feita no local desde a década de 1950. A devolução do equipamento ao público foi realizada ao pôr do sol pelo prefeito ACM Neto, na companhia do vice-´prefeito e secretário de Infraestrutura e Obras Públicas, Bruno Reis, do secretário de Cultura e Turismo, Cláudio Tinoco, e demais autoridades municipais. “É um trabalho importantíssimo dentro deste contexto de grandes investimentos que realizamos no Centro Histórico de Salvador, onde já injetamos cerca de R$ 300 milhões em diversas obras. Claro que o Terreiro de Jesus é uma das praças mais importantes da cidade, e não há como não ficar emocionado ao chegar aqui e ver essa beleza que já é patrimônio da humanidade e berço da cultura de nossa capital, hoje mais bonito e inteiramente requalificado para atender a todos que vem conhecer nossa cidade”, disse ACM Neto.

Um dos espaços de grande importância histórico-cultural de Salvador, existente desde o início da colonização do Brasil por Portugal, a praça do Terreiro de Jesus está localizada no coração do Centro Histórico da cidade, no Pelourinho. Está inserido em área tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e considerada Patrimônio Cultural da Humanidade desde 1985 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Inspiração – A última intervenção importante feita na praça do Terreiro de Jesus ocorreu no início da década de 1950, em reforma idealizada pelo arquiteto paisagista Burle Marx, caracterizada pela repaginação do piso com formas orgânicas e sinuosas, plantio de novas espécies, inserção de bancos ao redor das árvores, manutenção do chafariz e de algumas espécies arbóreas pré-existentes.

O material utilizado no piso, como a pedra portuguesa, os seixos rolados pretos e as conchas da região, assim como a permanência do chafariz existente na praça, reforçavam a identidade do lugar. Por sinal, os projetos de Roberto Burle Marx para praças, parques e jardins foram idealizados e executados segundo conceitos até hoje inovadores e atuais.

Ao longo do tempo, o Terreiro de Jesus sofreu diversas descaraterizações, com a supressão e/ou modificação de elementos urbanísticos e paisagísticos. O projeto atual, coordenado pela Fundação Mario Leal Ferreira (FMLF) e desenvolvido pelo escritório A&P Arquitetura e Urbanismo, consiste no resgate da proposta de Burle Marx com as atualizações funcionais e paisagísticas necessárias para os tempos atuais.

“Todas as obras da Prefeitura têm o objetivo de gerar emprego e renda para a população. Queremos atrair recursos para o Centro Histórico da cidade, que é o coração de Salvador e daqui irradia energia para toda a capital. Hoje é um dia histórico para esta cidade. E nós temos a capacidade de resolver problemas de Salvador. Aqui, no terreiro, recuperamos a pavimentação, as pedras, os jardins e o monumento em homenagem à deusa Ceres. Trabalhamos na iluminação para que tudo ficasse alinhado ao ambiente de um dos lugares mais bonitos do mundo”, afirmou Bruno Reis.

Galeria de Fotos


CONTEÚDO ALTERNATIVO CASO O VISITANTE NÃO TENHA O PLUGIN DE FLASH EM SEU COMPUTADOR (ESTE CONTEÚDO PODE APARECER TAMBÉM ENVOLVIDO POR UMA "DIV")


About Mathias Jaimes

Mathias Ariel Jaimes é CEO da TV Servidor / Axé Notícias. Formado em publicidade. Estou artes plásticas na Universidade Federal da Bahia. MBA em marketing e publicidade estratégica na Uninassau

Check Also

Países usam incêndios para tentar prejudicar o Brasil, diz Bolsonaro

Os incêndios florestais na região amazônica podem ser usados para prejudicar o setor do agroneócio ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.