Principal / Breaking News / Vandalismo já causou prejuízo de R$400 mil a Salvador em 2021

Vandalismo já causou prejuízo de R$400 mil a Salvador em 2021

As ações de vandalismo em equipamentos públicos continuam causando prejuízos à população da capital baiana. Na segunda-feira (22), as equipes da Companhia de Desenvolvimento Urbano de Salvador (Desal) iniciaram a remoção de uma pichação na fachada da Igreja de Sant’Ana, no Rio Vermelho. Apenas para esta ação, estão sendo gastos R$7 mil. 



De acordo com o órgão, são recebidas cerca de 20 queixas por dia sobre vandalismo ao patrimônio público, com 30 reparações realizadas por mês. De janeiro a outubro deste ano, já foram gastos cerca de R$400 mil na reparação de equipamentos vandalizados. Com esse valor, poderiam ser construídas cinco praças, três quadras esportivas e 12 academias de saúde populares, por exemplo. 

“A sociedade precisa se conscientizar e entender de uma vez por todas que quem perde somos todos nós. Esses equipamentos são de cada cidadão e tem dinheiro de cada contribuinte investido. A população precisa ser aliada à gestão no quesito de proteger os equipamentos públicos. Ações de vandalismo, causada por uma minoria, gera um alto prejuízo aos cofres públicos”, avaliou o presidente da Desal, Virgílio Daltro.

Jefferson Peixoto SECOM

Denúncia – Em caso de constatação de ação de vandalismo ao patrimônio público, o cidadão pode entrar em contato com o Fala Salvador, através do número 156, ou pelo site www.falasalvador.ba.gov.br e realizar a denúncia.

 

 

 



Sobre Emmanuel

Como me defino? Pernambucano, católico e ANCAP. Sem mais delongas... " Totus Tuus Mariae". "... São os jovens deste século, que na aurora do novo milénio, vivem ainda os tormentos derivados do pecado, do ódio, da violência, do terrorismo e da guerra..." Um adendo: somos dois pernambucanos contra um "não-pernambucano". Rs

Leia também!

OMS reúne especialistas para criar tratado de combate a pandemias

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reúne-se nesta segunda-feira (29) para discutir o Tratado Global ...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *