Home / Destaques / Vereadores classificam atos ofensivos contra João Doria como ‘vandalismo’ e um ‘atentado à democracia’

Vereadores classificam atos ofensivos contra João Doria como ‘vandalismo’ e um ‘atentado à democracia’

Crédito: Antonio Queirós/Secom/CMS

Uma das principais honrarias do Poder Legislativo é a entrega de Título de Cidadão de Salvador. Alguns vereadores criticaram os atos ofensivos de vandalismo cometidos por integrantes do PT e seus aliados contra os prefeitos ACM Neto e João Doria em frente a Câmara na noite de segunda-feira (7), onde os gestores foram alvos de ataques com arremesos e chuvas de ovos durante o deslocamento do Palácio Thomé de Souza até as dependências do Legislativo Municipal onde o gestor paulista recebeu a homenagem com o título de cidadao soteropolitano, proposto pelo vereador Felipe Lucas (PMDB), autor da iniciativa. Alguns entendem que houve atos de vandalismo, incitação a violência e um atentado contra a democracia.

Logo no início da sessão ordinária na tarde desta terça-feira (8), no plenário da Câmara, o presidente da Casa, vereador Leo Prates (DEM), declarou que “a democracia é, sobretudo, o direito a liberdade de expressão e a livre manifestação”. “Os manifestantes que vieram, pacificamente, se manifestar contra o título, quero dizer que a Câmara não apresenta nenhuma discordância na livre manifestação e na livre expressão das ideias, mas quando determinadas pessoas passam a depredar patrimônio público e o patrimônio desta Casa, passam a arremessar ovos contra o homenageado por esta Casa, por mais que discordem, nós vereadores e esta instituição convidaram as pessoas que aqui estiveram ontem em nome do vereador Felipe Lucas. Por isso, agradeço a Assistência Militar que identificou. Quero dizer que não foi constatado nenhum envolvimento de nenhum membro desta Casa. Nas imagens que nós temos em que o Major nos forneceu. Mas, tomada a decisão, conversei com os líderes do governo e da oposição, teremos respeito por qualquer pessoa que venha expressar suas ideias, mas nunca àquelas que querem impor as suas ideias através da força”, disse Prates.

O presidente anunciou que na edição do Diário Oficial do Legislativo desta quarta-feira (9), será publicado um ato número 1348/2017 com as sanções adotadas e acatadas pelos vereadores para garantir a segurança da Casa. “A Mesa da Câmara Municipal, no uso das suas atribuições, resolve suspender os acessos à dependência da Câmara Municipal de Salvador a partir da publicação deste ato até o dia 31 de dezembro de 2017 por infrações cometidas ao inciso terceiro do artigo 108 do Regimento Interno e legislação correlata durante a sessão solene de outorga do título de cidadão de Salvador ao prefeito da Cidade de São Paulo, João Doria, no dia 07 de agosto em curso,, nas dependências do prédio do Paço Municipal”, diz o comunicado.

“Gostaria de agradecer aos líderes do governo e da oposição e vou neste momento fazer um apelo a esta Casa para que nós mantenhamos o nível de debates e de amizade que nos une”, pede Prates.

Procurados pela imprensa durante a sessão ordinária na tarde desta terça-feira (8), um dia após o fato ocorrido, alguns vereadores criticaram de forma veemente as manifestações e protestos com ameaças, afrontas e ataques ofensivos praticados por petistas e seus auxiliares que tomaram toda a frente da Câmara para partirem em direção contra Neto e Doria.

De acordo com o vereador Felipe Lucas (PMDB), autor da homenagem lamentou o ocorrido ao declarar que o sentimento foi de indignação e de tristeza ao mesmo tempo. “Me envergonha, a gente perceber que ao mesmo tempo em que a gente quer apresentar qualidade no cenário político, que a gente quer qualificar a política e maneira de se fazer política, a gente percebe que tem vereadores, que tem parlamentares utilizando da política mofada e ultrapassada que não leva ninguém a absolutamente a lugar nenhum. Violência, agressão física e agressão verbal, atirar ovos (…). A gente sabe que no processo de democracia é natural que exista a manifestação, isso é natural, mas partir para agressão, seja física ou verbal, seja qual for, isso não é tolerável e a gente não vai tolerar. Eles não vão conseguir transformar o Brasil em uma Venezuela e em uma Cuba”, critica.

Durante a reunião do Colégio de Líderes na manhã desta terça (7), houve um certo atrito entre Felipe Lucas e a vereadora Aladilce Souza (PCdoB) ao mesmo tempo em que pmdbista acusa a comunista como “uma das grandes responsáveis pelo ocorrido”. “O ocorrido hoje no Colégio de Líderes não foi nenhuma agressão, pelo contrário. Eu apenas me retirei da mesa quando a vereadora, uma das grandes responsáveis pelo ocorrido ontem, porque ela disparou mensagens no grupos do WhatsApp pedindo que as pessoas vinhessem atirar ovos no prefeito de São Paulo e no grupo do prefeito ACM Neto. Isso não é e não será tolerado e a gente vai lutar contra isso. O que eu fiz apenas foi me levantar, dizer a ela que deixasse de ser hipócrita e encarasse, já que ela pediu que atirasse ovos, que ela não vinhesse com outra face fingir que não sabia de nada. Foi nesse momento que até pedi desculpas pelos vereadores que estavam na reunião, mas eu não consigo ter duas caras e duas formas de lidar, ou eu sou Felipe ou eu sou Felipe, não tem outra forma. Foi algo que me deixou bastante irritado e provocou a minha saída. Eu preferi sair do que ficar lá ouvindo histórias, hipocrisia, falsidade. Ela tem que assumir os atos dela, tanto perante ao público quanto perante a justiça, porque a gente pretene inclusive acionar pela provocação que ela fez e terminou no resultado que teve ontem. Mas, graças a Deus, a nossa festa brilhou, saimos bem, vitoriosos. O Doria saiu muito feliz e maravilhado com a recepção. Logo em seguida, conversamos e marcamos outra data para que ele possa vim, desta vez, como cidadão soteropolitano para poder desfrutar um pouquinho mais da nossa Bahia e da nossa cidade”, disse.

O pmdbista conta ainda que a comunista votou a favor da proposta de concessão do título de cidadão de Salvador. “Todos eles votaram a favor. Ai voce percebe o nível de hipocrisia e o quanto eles se contradizem, porque no dia quue nós colocamos o projeto para votaçao, todos conscientes do que estavam votando votaram a favor e não houve nenhuma manifestação. O ato de ontem não foi um ato simples de manifestação popular natural, não foi um ato natural, foi um ato orquestrado, manipulado e pensado, porque até Drone eles colocaram pra filmar a confusão e o vandalismo que eles estavam provocando. Eu fico sentido e muito triste e envergonhado com o papel e a forma como o governador da Bahia vem conduzindo sua bancada de oposição”, completa Lucas.

O vereador Kiki Bispo (PTB) fez também críticas ao fato lamentável ocorrido na noite de segunda. “A gente lamenta muito. Eu estava presente ontem no evento. Um evento legítimo e democrático em que o vereador Felipe Lucas apresentou uma proposição aprovada pela Casa, inclusive pelos vereadores da oposição. Diga-se de passagem, para minha surpresa, a democracia foi atingida de morte por vândalos à serviço de partidos políticos e sindicatos de forma muito clara, porque os autores são conhecidos. Inclusive, o presidente da Casa já tratou de identifica-los através das câmeras e vai buscar responsabilidade penal de todos eles, porque foi uma cobrança geral dos vereadores e dizer que em momentos atuais, atitudes como essa não coadunam com a democracia, com o momento que o Brasil precisa de discutir as matérias para fazer o país crescer. Foram atitudes de vandalismo. Eu vi atitudes ontem muito semelhantes a que eu vi na Venezuela, a Venezuela que o PT financiou e insiste em apoiar uma ditadura. O Brasil já tem no seu passado triste um ditadura que não quer viver mais. Eu abomino essa atitude, mas vamos sair firmes e fortes para combatermos qualquer ato que venha ferir a nossa democracia”, desabafa Kiki.

Em relação a iniciativa da vereadora Aladilce de ter postado no Facebook para conclamar as pessoas em fazerem a manifestação com ataques ofensivos com arremesso de ovos como tentativa de incitação à violencia contra os prefeitos ACM Neto, Joao Doria e toda a comitiva, o ptbista considera que a postagem é muito clara, mesmo a vereador ter alegado que não houve essa intenção. “Qualquer militante que tivesse lido ia se sentir motivado a fazer esse ato do ovo. Realmente, foi muito ruim para Salvador onde recebemos o prefeito de São Paulo, filho de baiano, que através da Embratur e da LIDE, com um conglomerado empresarial, fez diversos eventos em nossa cidade, que tem uma filial em nossa cidade, e lamentar, porque realmente não é dessa forma que a gente protesta e ocupa o poder. Eu acho que não cabe o vale tudo. Eu acho que a oposição está, de fato, temerosa, porque a aceitação do prefeito ACM Neto tem sido muito grande e ai só tenho uma palavra a resumir: o desespero”, conclui Bispo.

Do mesmo partido de João Doria, o vereador Cezar Leite, também do PSDB, ficou surpreso e, ao mesmo tempo, triste  com o que viu, ainda mais no momento em que está tendo tanta violência no país. “Nós não podemos, como políticos, incitar a violência, mas temos que dar exemplos contra a violência. Da mesma forma, nós enquanto políticos temos que ter coerência no que falamos, no que votamos e no que pensamos. Se houve a possibilidade da votação da medalha do João Doria, seja por qualquer razão e foi votado de forma unanime, inclusive, vereadores da oposição a votaram a favor e esses mesmos vereadores , em outro momento, ao incitarem a violência e a agressão não estao agindo com coerência. Os representados deles da esquerda deveriam cobrar dos seus vereadores a votação. Um exemplo: eu votei contra Lula, contra Che Guevara. Não seu porque o Che Guevara foi homenageado, mas votei contra o Che Guevara. Perdi democraticamente na votação. Sabe o que eu vou fazer no dia da medalha de Lula? Se acontecer de ele não ser preso antes, eu vou estar bem longe daqui, porque eu perdi democraticamente e não ando junto com baderneiro, com moleque, com corrupto, então, eu não vou estar na Câmara. Eles tem que aprender o que é democracia e mostrar que quando se perde em votação, você tem que respeitar, é o que eu estou fazendo. Pior no caso da opsição, que votou a favor e ainda reivindicou. Sou totalmente contra qualquer tipo de violencia. Alguns estão dizendo que é brincadeira. Não. Você agredir o outro com ovo, com pedra, se pega no olho de alguém e cega ou tem uma lesão? Eu vi pessoas em posição de luta corporal. Representantes de sindicatos e de centrais sindicais que, ao inves de representar o trabalhador, deveria defender o trabalhador. Teve o pacote de maldades de Rui Costa naquele momento, eles não se apresentaram e vem aqui fazerem um briga contra homenagem de medalha. Não tem sentido. As centrais sindicais e sindicatos estão municiados de pessoas envolvidas com partidos comunistas e socialistas que querem a ditadura lá da Venezuela, de Angola e de Cuba, mas aqui nós não vamos permitir. Isso só vai dar cada vez mais força para nós lutarmos contra eles e se Doria sair candidato a presidente, vou trabalhar muito para ele ser eleito e jamais nenhum tipo de comunista e socialista retornar ao poder”, critica o tucano.

Indagado se os atos abriram uma crise entre governo e oposição na Casa a partir do que ocorreu entre os vereadores Felipe Lucas e Aladilce Souza duurante a reunião no Colegio de Líderes, o vereador tucano disse que se surpreendeu com os vereadores. “Cada um tem sua posição. Eu sou oposição ao comunismo e ao socialismo, eu sou liberal, de direita, assumo que sou de direita, e ate então, sempre com muto respeito e com muita educação, claro, divergindo, porém, sem agressões. Foi um dia marcado por parte de alguns vereadores da oposição, incitando a violência e a agressão. Isso está bem claro em fotos e em texto que estão sendo vinculados. Fica muito dificil em pouco mais de 24 horas tentar acalmar um pouco isso, porque uma coisa é o debate de ideias, outra coisa é partir para agressão física. Isso precisa ser revisto, porque a postura de políticos não deve ser essa. A postura de políticos que representam o povo tem que ser uma postura digna, uma posição honrada, uma posição de paz, uma posição serena para defender suas ideias e não impor suas ideias e o que a gente ver na esquerda brasileira é que ela quer impor as ideias a qualquer custo. Eles não entendem o que é democracia, pois eles acham que se pensarmos diferente deles, voce é anti-democrático”, disse o tucano.

Mas, durante a sessão na tarde desta terça, sem querer repercutir e entrar no assunto, o presidente Leo Prates decidiu suspender a sessão por 15 minutos, prorrogados por mais 15 até encerrar aos trabalhos.

Rafael Santana

 


CONTEÚDO ALTERNATIVO CASO O VISITANTE NÃO TENHA O PLUGIN DE FLASH EM SEU COMPUTADOR (ESTE CONTEÚDO PODE APARECER TAMBÉM ENVOLVIDO POR UMA "DIV")


About Rafael Santana

Rafael Bonfim Santana é jornalista com experiência em diversos sites e jornais da Bahia com foco em pautas políticas regionais

Check Also

MBL seria alvo do buscas em processo que prende suspeitos de lavar R$ 400 milhões; Polícia prende Luciano Ayan

Foram presos na manhã desta sexta-feira (10) Alessander Ferreira e Carlos Afonso, o “Luciano Ayan”. ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.